o rebuçado comum (versão adaptada dos contos de Andersen, mas com um rebuçado nacional)

um dia um rebuçado pomposo, ou assim se julgava ele, embrulhado num vulgar celofane ruidoso e transparente, encontrou casualmente um chupa-chupa*, daqueles de importação, ou pelo menos é isso que vem escrito na cobertura metalizada, colorida e brilhante, e que, ao contrário do rebuçado que partilhava um saco de celofane, ruidoso e transparente com outros tantos rebuçados exatamente iguais a ele, se exibia com arrogância num pedestal especialmente criado para exibir chupa-chupas** estrangeiros que prometem sempre ter algo diferente das comuns doçarias que se encontram por aí

o rebuçado sentiu-se imediatamente invadido por uma sensação cruel de desapontamento…afinal, não passava de um comum rebuçado e para cúmulo do desencanto, era um rebuçado nacional, mistura simples de açúcar, água, aroma de fruta corrente e um corante de cor óbvia que não surpreendia ninguém sobre o que ia saborear

naquele estado depressivo em que se encontrou, em vez de se alegrar, como acontece a todos os rebuçados, pela missão que lhes é atribuída, de produzir sorrisos nas crianças  (e nos adultos)  pelo prazer que sentem em demorar a escolher, com particular atenção e gosto, a cor e o sabor do próximo rebuçado a ser saboreado, passou a temer as várias passagens de mão em mão do saco, da escolha dos rebuçados, que lhe parecia aleatória e desenfreada,  e sobretudo daquele momento humilhante em que os despojavam do papel, aquele papel que fazia de uma mistura de açúcar, água, aroma e corante, uma pequena jóia doce…

e com este estado de espírito, esperando o pior, e olhando, tristemente, através do saco, para o palanque vistoso dos chupa-chupas*** estrangeiros, nem se apercebeu da mão que retirou da prateleira a embalagem que partilhava com umas dezenas de outros infelizes camaradas coloridos, nem reparou que, juntos no saco das compras, viajaram algumas centenas de palitos de madeira, daqueles que se usam para…bem, não interessa para que se usam, porque o destino deles é infinitamente mais desagradável do que o de qualquer rebuçado.

e também não estranhou quando foi despojado do papel brilhante  junto com todos os seus companheiros (de infortúnio, julgava ele) que vinham na embalagem…pensou que seria crueldade de uma daquelas criança  que não consegue decidir o sabor do próximo rebuçado e que por isso experimenta todos acabando por não escolher nenhum, abandonando-os no fundo do caixote do lixo, assim, lambidos, inteiros e sem terem sido saboreados…

mas de repente, apercebeu-se que alguma coisa diferente acontecia…apesar de estar despojado do papel protetor, não estava sozinho, nem estava espalhado em cima de uma mesa qualquer ( antes assim do que ser espalhado pelo chão); junto a ele alinhavam-se, ordeiramente, outros dois rebuçados de cores e sabores diferentes dos seus, sobre uma superfície suave e lisa, e o mesmo se passava com os outros rebuçados que vinham no saco

depois notou que uma mão paciente e cautelosa colocava, com gentileza e rigor, um palito de madeira, um dos tais desgraçados, sobre cada conjunto de três rebuçados

e a seguir…bem, a seguir o que sentiu não é fácil de descrever

com algum receio pela novidade em ser saboreado daquela maneira estranha, e muita ansiedade pelo que ia acontecer, sentiu calor, muito calor, um calor tão grande que até sentiu que se desfazia…e desfez-se!

e ao desfazer-se, uniu-se aos companheiros de aventura, aos outros dois rebuçados de sabores diferentes e ao palito de madeira, que agora já não era miserável!

quando o calor se apagou, descobriu que já não era um qualquer rebuçado comum…era um doce multicolorido, como se fosse um vidro fino mas muito mais forte (afinal a união faz a força), saboroso e apetecível e era único, irrepetível e mais importante do que tudo…feito em casa, fruto de um momento de partilha entre uma mãe e as suas filhas

Ah! se o chupa-chupa estrangeiro o pudesse ver agora 🙂

*esta palavra é estranha…sobretudo quando se pensa que se trata de uma iguaria infantil 😦
** 😦
*** 😦

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s